Avançar para o conteúdo principal

Sim, influencia.

Olá a todos!

Espero que tenham começado o 2018 da melhor forma possível. :)
O meu começou em grande, em "modo eremita por 40 dias" - se quiserem, eu posso falar-vos disso futuramente. 

Na publicação de hoje falo-vos de um raciocínio que fiz antes desta passagem de ano (no dia 20 de dezembro de 2017) que, embora seja óbvio, enriqueceu-me por ter surgido no meu consciente. Afinal, as melhores coisas e as que nos dão os resultados mais positivos não são as coisas óbvias? 

Estava eu numa pausa de estudo, que coincidia com a hora de lanche e ponderava se havia de comer uma fatia de bolo ou se me ficava por um lanche mais saudável e que subisse menos a glicémia. Comecei então a dizer para mim mesma, isto tudo numa questão de segundos, quase sem me aperceber, que claro que iria comer o bolo, porque a passagem de ano estava a chegar e eu já tinha o 2018 inteiro, e a vida toda, para me "portar bem". 
Só que, aí, felizmente, um pensamento sobrepôs-se ao anterior e disse: oi? pera aí... isso é o que tu dizes todos os finais de ano... isso chama-se arranjar desculpas. Agora podes achar que não, mas se arranjas desculpas em 2017 também vais arranjar em 2018... de um momento para o outro, como por magia, não vais passar a ser "perfeita". Se achares correto ou, pelo menos, não nefasto, come; se não, não comas só por uma questão de "fazer todo mal agora para te redimir depois".

E, como o cérebro e a mente são incríveis, rapidamente passei do pensamento anterior para o principal que comandou a minha decisão desse momento: 
Embora nunca seja tarde para mudarmos, e possamos ser sempre pessoas melhores, tudo o que fazemos hoje, influencia o nosso amanhã, na verdade, tudo o que fazemos, em cada momento em que vivemos, junta-se a nós, influencia toda a nossa vida, de forma mais ou menos evidente, mais ou menos demorada. 
E então, não, não comi o bolo, porque não precisava, e tinha comida melhor para comer, ficar satisfeita e não me prejudicar. E, para além disso, 2018 começou no dia 1, mas o meu Eu em 2018 começou certamente muito antes.

E para dar enfâse a esta ideia, lembrei-me de uma história que li há uns tempos na internet (estava a circular pelo facebook) que, resumidamente, é mais ou menos assim (pelo menos o conteúdo principal):
-> Havia um rapaz que se costumava portar mal de alguma maneira, que já não me lembro, acho que envolvia magoar as pessoas, e o seu pai ficava muito triste com isso.
-> Um dia, o pai chega ao pé dele e dá-lhe a obrigação de, por cada maldade que fizer, pregar um prego no portão de madeira do seu jardim.
-> O rapaz, que remédio tem, faz o que o pai lhe disse durante dias, semanas...
-> Chega a um ponto em que o rapaz se cansa de pregar e diz ao pai que se vai portar bem e que, inclusive, vai fazer boas ações.
-> O pai então diz-lhe que, se assim for, ele já não terá de pregar e, pelo contrário, cada dia que passar em que ele não fizer nada de mal, pode retirar um prego do portão.
-> Passado muito tempo, quando os pregos já estavam todos retirados e o rapaz se sentia muito orgulhoso consigo mesmo, o pai vira-se para ele e diz-lhe algo do género: meu filho, estás a ver este portão? Repara que não tem pregos, mas os buracos ainda lá estão. Deves retirar daqui uma importante lição para a tua vida, a de que o que se faz de mal pode acabar, mas as marcas ficam sempre.

Eu, na altura, quando li esta história, que achei genial, porque reflexões sobre a vida na forma de um conto, de um exemplo, são sempre muito mais absorvíveis e cativantes, pensei o seguinte: pois é... o bem vale por si mesmo e traz coisa boas, mas não compensa o mal, e vice-versa. 
Hoje em dia, mantenho a mesma opinião, a mesma forma de ver as atitudes humanas, sendo que este pensamento pode ser aplicado a tudo na vida.

E vocês, que leram este texto até ao fim, o que pensam sobre o assunto? Deem a vossa opinião. :) 

Espero que tenham gostado.

Até à próxima!
Beijinhos.

Comentários

  1. Maria Cristina Monteiro7 de janeiro de 2018 às 18:30

    As nossas atitudes diárias influênciam o nosso futuro. Se fizermos o bem, a vida nos recompensará. Mas se fizermos o mal , um dia também o encontraremos. Nós colhemos aquilo que semeamos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É exatamente isso. Muito obrigada pelo comentário, Cristina! Beijinhos. :)

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Carnaval 2018

Olá a todos!
Hoje trago-vos um vídeo extra no canal!!! 
Não vou publicar um vídeo todos os dias, mas há exceções, como neste caso, em que tivemos o Carnaval e o Dia de São Valentim na mesma semana. :)
Espero que gostem! 😊


Até à próxima!
Beijinhos :-*

Aniversário 2018

Olá a todos!
Hoje é o meu aniversário, comemoro mais um ano de vida e, por esta ocasião especial, interrompo o estudo para festejar e para vos escrever. Este dia pode ser especial para nós, por diversos motivos, dependendo também da nossa idade e da altura da vida em que estamos. Lembro-me que quando era pequena os meus aniversários eram o máximo pelos doces, pelos amigos a cantarem os parabéns, pelos brinquedos que recebia, pelo karaoke que cantava, pelos saquinhos de guloseimas que distribuía na escola ou a todos os que iam à minha festa de anos... Há medida que vamos crescendo, as festas vão-se tornando diferentes, com menos pessoas e menos brincadeiras, e começamos a dar mais importância a estar com a família, a nos rodearmos de um grupo mais limitado de pessoas e claro, a receber parabéns das pessoas que passam pela nossa vida, quer pessoalmente quer nas redes sociais.
Nem sempre os nossos dias de aniversário são perfeitos, sobretudo se nem tudo na nossa vida está como gostaríamos o…

VeganChee Bio - Iogurtes e Queijos

Bom dia a todos!
Na publicação de hoje vou partilhar convosco alguns produtos vegan que conheci há algum tempo e dos quais, pelo sabor, aspeto, saúde e praticidade, não poderia deixar de falar. Curiosos para saber do que falo?
A resposta é: VeganChee Bio - alternativas vegetais ao queijo e aos iogurtes. Para além de estar a estudar para vir a ser Médica, eu sempre me preocupei com a Saúde e, sobretudo, sempre procurei saber mais sobre o tema e sobre o que eu podia fazer para ser mais saudável (vou certamente partilhar alguns dos hábitos que tenho noutros posts).
E como falar de Saúde, sem falar de Alimentação?
Como disse Hipócrates, na Antiguidade, “que o teu alimento seja o teu medicamento.” e, baseada nesta premissa, sempre procurei comer o melhor possível, com algumas exceções (muitas) de vez em quando, como é normal.

O tipo de alimentação que levo não é tema para esta publicação, mas resumidamente é preferencialmente vegan, mas não rígida. O que isto significa? Que como de tudo,…